25/10/2017

Cobranças indevidas na conta de energia é tema de artigo de nossa sócia Raquel Amaral para os sites Migalhas, Setor Energético e Ambiente Energia

Fonte: Setor Energético

Em tempos de crise econômica no país, o aumento da tarifa de energia elétrica, através da chamada “bandeira vermelha”, elevou ainda mais os gastos do consumidor brasileiro.
Boa parte da conta de luz é composta por tarifas, como a TUST e TUSD, que acabam sendo incluídas pelos estados no valor base para o ICMS. Ou seja, esse imposto acaba sendo cobrando sobre o valor tarifas e não sobre o que realmente foi consumido de energia, elevando os gastos mensais na média de 15% da conta.
O cálculo sobre todos os itens que compõem a conta, não somente sobre a energia consumida, está em desacordo com a legislação, pois o ICMS somente deveria incidir sobre o preço da mercadoria (no caso a energia) e não sobre tarifas do sistema.
É importante ressaltar que o ICMS incide sobre as operações com a energia, pois equivalem à circulação de mercadorias, conceito no qual não se enquadram a TUST e a TUSD, tarifas cuja função é remunerar o ‘serviço de transporte’ de transmissão e distribuição de energia elétrica. Por essa razão, o Superior Tribunal de Justiça (STJ), ao analisar a questão, entendeu ser necessário excluir da base de cálculo do ICMS os valores referentes a tarifas.
O consumidor pode ajuizar ações requerendo a exclusão da base de cálculo do ICMS os valores relativos a essas tarifas cobradas na conta de energia, representando de 10% a 15% de economia na conta de luz, dependendo do perfil de consumo e estado onde reside.
Outro ponto que gera discussão são os diferentes percentuais de ICMS cobrados pelos estados, que variam de 18% a 25%. Essas alíquotas podem variar conforme a essencialidade do produto, porém, muitos estados cobram o ICMS sobre energia pela mesma alíquota aplicável a produtos supérfluos, mesmo sendo a energia um item de primeira necessidade. Dessa forma, é necessário analisar o tipo de consumidor e o Estado em que ele se encontra, quais as alíquotas aplicáveis e possíveis reduções.
Essas são medidas combinadas que podem trazer uma grande economia no valor da conta. Como estamos em uma época de aumento do valor da conta de energia, a redução do impacto tributário pode ser uma economia diferencial para os consumidores.

Links:

http://www.setorenergetico.com.br/entrevistas-artigos/artigo-cobrancas-indevidas-encarecem-conta-de-energia-eletrica/23939/

http://www.migalhas.com.br/Quentes/17,MI267455,81042-Cobrancas+indevidas+encarecem+a+conta+de+energia+eletrica+afirma

https://www.ambienteenergia.com.br/index.php/2017/10/cobrancas-indevidas-encarecem-conta-de-energia-eletrica/32920

 

  • São Paulo
  • +55 11 4304-9760

    Av. Brig. Faria Lima, 1461
    Torre Sul - 8º andar
    São Paulo - SP

    contato@neolaw.net.br

  • Rio de Janeiro
  • +55 21 98822-8887

    Rua da Assembleia, 10
    sala 1715, Centro.
    20011-901
    Rio de Janeiro - RJ

    contato@neolaw.net.br

  • Curitiba
  • +55 41 99750-4946

    Tv. General Francisco
    Lima e Silva, 123
    80520-040
    Curitiba - PR

    contato@neolaw.net.br

  • Porto Alegre
  • +55 51 3328-6163

    R. Padre Chagas, 66
    Conj. 602
    90570-080
    Porto Alegre - RS

    contato@neolaw.net.br